FixedFloat Blog

Nossas notícias, guias e tutoriais sobre criptomoedas

Anonimato de criptomoeda

Nos primeiros anos da rede Bitcoin, a criptomoeda foi considerada completamente anônima. No entanto, ao longo do tempo, os técnicos aprenderam a rastrear e des-anonimizar as transações Bitcoin. Em seguida, os desenvolvedores de algumas novas criptomoedas decidiram adicionar a capacidade de enviar transações verdadeiramente anônimas para suas moedas.

Hoje, existem três criptomoedas anônimas populares. Estes são Dash, ZCash e Monero. Vamos comparar os mecanismos de privacidade usados nessas moedas.

Dash. Método CoinJoin

Existem dois tipos de transações na criptomoeda Dash: comum e transações com maior privacidade, usando a função opcional "PrivateSend". A função PrivateSend é baseada no método CoinJoin. A essência desse método é dividir uma transação em várias e misturá-las.

Note-se que existem serviços semelhantes para Bitcoin-mixers. No entanto, no Dash, essa funcionalidade está embutida no protocolo e, para o Bitcoin, todos os serviços são desenvolvimentos privados, alguns dos quais podem se mostrar fraudulentos.

Observe que o método CoinJoin oculta o fluxo de fundos e limita a capacidade de rastrear transações diretamente, mas não garante seu anonimato completo.

Zcash. Protocolo de Zero-Knowledge

O Zcash foi a primeira criptomoeda que não apenas aumentou a confidencialidade das transações, mas realmente as anonimou: os pagamentos do Zcash são publicados em uma blockchain pública, mas o valor do remetente, destinatário e transação pode ser oculto. O Zcash usa o protocolo zk-SNARK, baseado no princípio de evidência Zero-Knowledge. O protocolo Zero-Knowledge não registra informações completas no blockchain, tornando praticamente impossível obter da rede.

Como o Dash, o Zcash possui transações regulares e privadas. No entanto, sua implementação é diferente. A criptomoeda Zcash possui 2 tipos de endereços:

  • z-endereço protegido por um protocolo de evidência de divulgação zero;
  • t-endereço público com código aberto, semelhante ao Bitcoin.

As transações podem ser enviadas do z-endereço para o t-endereço e vice-versa. E este é o principal problema do anonimato dessa criptomoeda.

Quando as moedas são movidas de endereços "não garantidos" para "seguros" e, em seguida, retornam, o anonimato geral das transações diminui em 69.1%. As traduções que envolvem diferentes tipos de endereços são muito menos anônimas e, acompanhando o comportamento do usuário, você pode obter informações sobre z-endereço.

Monero. Protocolo CryptoNote

A criptomoeda Monero usa o protocolo CryptoNote, no qual quando uma transação é enviada, você não pode ver o remetente ou o destinatário, nem mesmo o valor que foi enviado. Tecnologias exclusivas são usadas: Ring Signatures e Stealth Addresses, bem como a intercambiabilidade de moedas Monero (fungibility). Para confirmar o envio de fundos, chaves privadas especiais são usadas. Isso torna Monero a criptomoeda mais anônima existente.

No momento, não houve um único precedente para hackear ou descriptografar transações do Monero, embora alguns grupos de pesquisa apontem as deficiências do algoritmo de mixagem e argumentem que algumas transações do Monero podem ser descriptografadas.

Ao contrário do Dash e do Zcash, o Monero não possui transações públicas não anônimas.

Conclusões

Hoje, o Monero é a criptomoeda mais tecnologicamente avançada em termos de privacidade. Presentemente apenas nele não há oportunidades para reduzir o anonimato. Outros aspectos das moedas em questão não foram levados em consideração, como a proporção de reguladores para essas moedas.

Analisamos apenas as três maiores criptomoedas anônimas, embora também existam outras moedas destinadas a manter a privacidade e proteger os dados pessoais, sua lista certamente aumentará com o tempo.